Terapia da Realidade e Teoria da Escolha

Cidadania & Cultura

Rich X Poor

William Glasser (1925 – ) rejeitou publicamente a psiquiatria convencional e o uso de medicamentos, argumentando que a maioria dos problemas mentais e psicológicos vivenciados pelas pessoas está dentro de um espectro de uma experiência humana saudável e pode ser melhorado mediante mudanças comportamentais. Sua ideias tem como objetivoa conquista da felicidade e autorrealização por meio de escolhas pessoais, responsabilidade e transformação.

Glasser desenvolveu a Terapia da Realidade, um tratamento cognitivo-comportamental que objetivava solucionar problemas estimulando os clientes a descobrir o que realmente queriam naquele momento. Avaliariam, então, se o comportamento que haviam adotado os aproximava ou distanciava de seus objetivos.

Ver o post original 495 mais palavras

Anúncios

Cinco verdades fundamentais sobre a vida — Universo Natural

A primeira delas é que o homem possui uma Alma que é o seu eu real: um Ser Divino, Poderoso, Filho do Criador de todas as coisas, do qual o corpo, ainda que seja o templo terreno dessa Alma, não passa de um mínimo reflexo; que nossa Alma, nossa Divindade que habita dentro e ao […]

via Cinco verdades fundamentais sobre a vida — Universo Natural

Why Volunteers are essential to the Church

Have you ever noticed how easy it can be for us to miss what is really going on? I experience this a lot in parenting. I sometimes get so focused on doing things around the house to take care of my little girl that I can miss the most important moments. Sometimes it is cleaning up her dishes (taking care of her) while she is asking me to come read her a book. Other times I might miss her asking to watch a movie with me because I am paying bills. The point is I can easily miss the most important thing going on in my house because I am busy taking care of the house.

If we are not careful, that will become the story of the Church.

As leaders it is possible to do the work of God and actually miss some of the biggest activity…

Ver o post original 342 mais palavras

“a simplicidade é o que se aprende por último”

Por Isaias Costa Eu sou um amante da simplicidade e hoje tenho consciência do quanto ela está relacionada com a sabedoria. Quanto mais o tempo passa, mais constato a veracidade da conhecida citação oriental que diz: “a simplicidade é o que se aprende por último”. Realmente é assim que acontece, ela é uma dimensão na […]

via Simplicidade é ação sem ideia — Para além do agora

“Not All Who Wander Are Lost”

Lucinda Secrest McDowell - "Encouraging Words"

EWWelcome

“Not All Who Wander Are Lost”

Lucinda Secrest McDowell

Like many sons without fathers, young Robert fell in with the wrong crowd.

His gang of boys gambled, drank, and even went to hear George Whitfield preach in order to drown him out with their heckling. But the prophetic words of that preacher back in 1755 haunted Robert for several years until he finally turned his life completely around and followed Christ.

After becoming a minister, Robert Robinson wrote this hymn, in recognition of how far he had come: “Come, Thou Fount of every blessing, Tune my heart to sing Thy grace; Streams of mercy, never ceasing, Call for songs of loudest praise.” And yet, embedded in the hymn was a knowledge of his own tendency toward unfaithfulness, “Prone to wander, Lord, I feel it, Prone to leave the God I love; Here’s my heart, O take and seal it, Seal…

Ver o post original 419 mais palavras

A Paz do Ser

Somente a aceitação humilde – de quem somos de verdade – nos conduz à luz, como a planta que serenamente a procura para crescer e alimentar-se, vai nos levar a ser integralmente gratos e livres para sonhar. É daí que vem o verdadeiro crescimento da auto-estima e a liberação da capacidade mais essencial e genuína de ser humano: a de amar.

30 traços de uma pessoa SENSITIVA |

Ser uma pessoa sensitiva, ou empata, significa que ter a capacidade de perceber e ser afetado pelas energias de outras pessoas e ter uma capacidade inata de sentir e perceber intuitivamente outros. A sua vida é inconscientemente influenciada pelos desejos dos outros, desejos, pensamentos e estados de espírito. Ser um empata é muito mais do que ser altamente sensível e não está limitado apenas às emoções.Pessoas mais sensitivas podem perceber sensibilidades físicas e impulsos espirituais, bem como apenas saber as motivações e intenções de outras pessoas.

Aqui ficam 30 dos traços mais comuns do SENSITIVO ou EMPATA:

1Saber: os sensitivos sabem coisas, sem lhes ser dito. É um conhecimento que vai além da intuição, mesmo que essa seja a forma como muitos poderiam descrever o saber. Quanto mais sintonizados eles são, mais forte este dom se torna.

2Estar em locais públicos pode ser esmagador ou avassalador: lugares como shoppings, supermercados ou estádios onde há uma grande quantidade de pessoas ao redor pode preencher o empata com as emoções turbulentas vindas de outras pessoas.

3Sentir as emoções e tomá-las como suas: este é grande fardo para sensitivos. Alguns deles vão sentir emoções vindas daqueles que estão perto e outros poderão sentir as emoções de pessoas a uma grande distância, ou até ambas. Os empatas mais sintonizados irão saber se alguém está a ter maus pensamentos sobre eles, até mesmo a uma grande distância.

4Assistir violência, crueldade ou tragédias na TV pode tornar-se insuportável. Quanto mais sintonizado um empata se torna, pior se torna o ato de ver TV. Pode acontecer, eventualmente, este ter de parar de ver televisão e ler jornais por completo.

5O empata sabe quando alguém não está a ser honesto: se um amigo ou um ente querido lhe está a dizer mentiras ele sabe disso (embora muitos sensitivos tentam não se focar muito nesse conhecimento porque saber que um ente querido está a mentir pode ser doloroso). Se alguém está a dizer alguma coisa mas se ele sente ou pensa de outra, o empata simplesmente sabe.

6Captar os sintomas físicos de uma outra pessoa: um empata pode desenvolver as doenças de outra pessoa (constipações, infecções oculares, dores no corpo e dores), especialmente aqueles que são mais próximos, um pouco como as dores de simpatia.

7Distúrbios digestivos e problemas nas costas: o chacra do plexo solar tem base no centro do abdômen e é conhecido como a sede das emoções. Este é o lugar onde os empatas sentem a emoção de entrada do outro, o que pode enfraquecer a área e, eventualmente, levar a qualquer problema, desde úlceras estomacais a má digestão, entre muitas outras coisas. Os problemas nas costas podem-se desenvolver porque quando uma pessoa que não tem conhecimento que é um empata e não está preparada, estará quase sempre “sem chão”.

8Sempre a olhar os oprimidos: qualquer um cujo sofrimento, dor emocional, a ser vítima de injustiça ou intimidado, chama a atenção e a compaixão de um empata.

9. Outros irão querer descarregar os seus problemas, até mesmo estranhos: um empata pode-se tornar uma lixeira para questões e problemas de toda a gente e se não tiver cuidado pode acabar como utilizando esses problemas como seus próprios.

10. Fadiga constante: os sensitivos muitas vezes ficam sem energia, seja de vampiros de energia ou apenas captando em demasia a energia dos outros, que até mesmo o sono não cure. Muitos são diagnosticados com Fadiga Crônica ou até Fibromialgia.

11Personalidade possivelmente viciada: álcool, drogas, sexo, são, para citar apenas alguns vícios a que os empatas podem recorrer, para bloquear as emoções dos outros. É uma forma de auto-proteção, a fim de se esconder de alguém ou de algo. Pode não se tornar um vício mas, em menor escala, hábitos regulares.

12Atração para a cura, as terapias holísticas e todas outras coisas metafísicas: embora muitos sensitivos gostassem de curar os outros, podem acabar por se afastar dessa vocação (mesmo tendo eles uma capacidade natural para isso), depois de se terem estudado e formado, porque eles carregam muito daqueles que eles estão a tentar curar. Especialmente se eles não sabem da sua capacidade e habilidade da empatia. Qualquer coisa que tenha uma natureza sobrenatural é de interesse para os sensitivos e não se surpreende ou ficar chocado facilmente. Mesmo com uma revelação que muitos outros considerariam impensável, por exemplo, os empatas teriam reconhecido o mundo seria redondo quando todos os outros acreditavam que era plana.

13Criatividade: a cantar, dançar, atuar, desenhar ou escrever, um empata terá uma forte veia criativa e uma imaginação muito fértil.

14. Amor pela natureza e pelos animais: estar ao ar livre na natureza é uma obrigação para os sensitivos e os animais de estimação são uma parte essencial da sua vida. Podem não os ter porque acredita que eles devem ser livres mas têm grande carinho e proteção por eles.

15Necessidade de solidão: um empata vai agitar-se e ficar louco se ele não receber algum tempo de silêncio. Isto é ainda muito evidente em crianças empáticas.

16Fica entediado ou distraído facilmente se não for estimulado nas tarefas mais rotineiras: trabalho, escola e vida doméstica tem que ser mantidas interessantes para um empata ou eles desligam-se delas e acabam a sonhar, rabiscar ou a procrastinar.

17Consideram impossível fazer coisas que não gostam: como no anterior, parece que eles estão a viver uma mentira por fazê-lo. Para forçar um empata a fazer algo que ele não gosta, através da culpa ou rotulando-o como passivo servirá apenas para fazê-lo ficar infeliz. É por esta razão que muitos sensitivos ficam rotulados como sendo preguiçosos.

18Luta pela verdade: isso torna-se mais predominante quando um empata descobre seus dons de nascença. Qualquer coisa que seja ele sente que está completamente errada.

19. Sempre à procura de respostas e conhecimento: ter perguntas sem resposta pode ser frustrante para um empata e eles vão esforçar-se sempre para encontrar uma explicação. Se eles têm um conhecimento sobre algo, eles irão procurar a confirmação. O lado mau disso pode ser a sobrecarga de informações.

20Gostam de aventura, liberdade e viagens: os sensitivos são espíritos livres.

21Abomina a desordem: ela traz uma sensação ao empata de peso e bloqueia o seu fluxo de energia.

22Adora sonhar acordado: um empata pode olhar para o espaço por horas, ficando num mundo muito próprio e de muita felicidade.

23Acha a rotina, as regras ou o controlo aprisionante: qualquer coisa que tire a liberdade é debilitante para um empata.

24Propensão para carregar peso sem necessariamente se desgastar: o excesso de peso é uma forma de proteção para impedir a chegada das energias negativas que têm tanto impacto em si.

25. Excelente ouvinte: o empata não vai falar de si, a menos que seja para alguém em quem realmente confia. Ele gosta de conhecer e aprender com os outros e genuinamente cuidar.

26Intolerância ao narcisismo: embora sensato e generoso e muitas vezes tolerante para com os outros, os sensitivos não gostam de ter pessoas ao seu redor excessivamente egoístas, que se colocam em primeiro lugar e se recusam a considerar os sentimentos dos outros, ou pontos de vista diferentes do seu.

27. A capacidade de sentir os dias da semana: um empata sentirá o “Sentimento de Sexta-feira”, quer ele trabalhe às sextas-feiras ou não. Eles captam sobre como o colectivo se está a sentir. O primeiro par de dias de um longo fim de semana de feriado (da Páscoa, por exemplo) pode ser sentido por eles, como se o mundo estivesse sorrindo, calmamente e relaxadamente. Domingo à noite, as segundas-feiras e terças-feiras, de uma semana de trabalho, têm um sentimento muito pesado.

28. Não vai optar por comprar antiguidades, vintage ou coisas em segunda mão: qualquer coisa que tenha sido pré-propriedade, carrega a energia do proprietário anterior. Um empata vai mesmo preferir ter um carro ou uma casa nova (se eles estiverem numa situação financeira que lhe permita fazê-lo), sem energia residual.

29. Sente a energia dos alimentos: muitos sensitivos não gostam de comer carne ou aves, pois eles podem sentir as vibrações do animal (especialmente se o animal sofreu), mesmo se eles gostarem do seu sabor.

30. Pode parecer mal-humorado, tímido, indiferente, desconectado: dependendo de como um empata se sente, isso irá influenciar com que cara eles se mostram para o mundo. Eles podem ser propensos a mudanças de humor e se eles captaram energia muito negativa aparecerão calados e insociáveis, parecendo mesmo miseráveis. Um empata detesta ter de fingir ser feliz quando está triste, isso só aumenta a sua carga (torna o trabalho no sector de serviços, quando é preciso fazer o serviço com um sorriso, muito desafiador) e pode fazê-los sentir como que se escondendo debaixo de uma pedra.

Se você pode identificar-se com a maioria ou com todos os itens acima, então você é definitivamente mais um empata.

Os sensitivos estão a ter um momento particularmente difícil, no momento presente, captando todas as emoções negativas que estão a ser emanadas para o mundo a partir da população que sente as dificuldades da sociedade atual, por todo o mundo.

Por Alcino Rodrigues


30 traços de uma pessoa SENSITIVA |
.

Palavras teimosas: Perdão.

Algumas palavras teimam em escorregar ao nosso melhor entendimento. No meu caso, algumas especialmente abstratas têm uma teima assim. Caridade vem de ser caridoso, e ser assim gera atitudes e comportamentos fáceis de observar. Mas e ter fé, e perdoar? Não são assim tão fáceis…

Para ter ideia da abstração que isso envolve, e portanto da dificuldade de aproximar o raciocínio de um significado, tome-se como ilustração o que diz Russell Norman Champlin, bacharel em Literatura Bíblica (Imannuel College), Mestre e Doutor em Línguas Clássicas, Pós-Doutor em Novo Testamento e Filosofia pela University of Utah e ainda autor do Antigo Testamento Interpretado, Novo Testamento Interpretado e Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia: “perdão é um ato da alma, mediante o qual a pessoa ofendida permite que o seu ofensor fique livre, esquecendo-se então da ofensa”.

Eu entendo que o significado transportado por um signo (no caso uma palavra) pode diminuir-lhe um bocado da ideia que deveria transmitir. Por outro lado, a comunicação verbal tem esse limite em si mesma. Afinal como posso ter certeza de que algo que penso pode ser apreendido exatamente como penso na razão de outrem? Só mesmo tornando a coisa o mais objetiva ou concreta possível. E nessa “operação” boa parte do significado se vai…

Com a palavra perdão acontece o mesmo. Mas elucubrações à parte, buscando um entendimento racional que leve em conta a abstração e me leve a “sentir” o significado, a interioriza-lo com a maior profundidade possível, resolvi tomar o caminho inverso do que normalmente se toma: ao invés de aprofundar a pesquisa, usar a etimologia da palavra, etc., peguei um caminho pueril que me facilitou bastante.

Se perdão é uma perda grande, o aumentativo de perda, é até possível chegar a uma interessante inferência: a perda é a quebra de um vínculo, de uma ligação entre nós e algo a que estamos presos. Pode ser uma coisa que se perde, pode ser um pensamento que se perde, pode ser um sentimento ou uma lembrança que se perde. Seja o que for, perder algo pode ser um troço extremamente positivo, representando o desapego em relação a uma coisa que nos faz mal, que nos prende, angustia, sufoca e por isso atrapalha a nossa liberdade. A liberdade em relação a isso que nos impede, pesa e atrapalha a seguir em frente com leveza. Que possibilita o balão subir mais alto ou o barco navegar sem risco de afundar.

A grande e positiva perda precisa acontecer em muitos casos ou em relação a muitas fases de nossas vidas, e em todos os casos tem somente relação com o significado que damos ao que precisamos perder, grandemente perder. Um perdão é uma grande e necessária perda. Pensemos assim para facilitar o sintamos assim.

Sentir uma perda que é necessária pode ser difícil somente se estamos apegados ao que se deve perder. E se o que se deve perder é grande (para ser aumentativo e compatível com um perdão), grande também é o apego. Mas o que nos leva à teima de não perder o que deve ser perdido, deixado, solto pelo caminho?

É isso então o que toca a subjetividade. Que resposta é essa vai depender de quem não quer perder. De quem coleciona o que não deve, carrega mais peso do que pode ou deve.

Ainda em início de conversa, porque perder é ato involuntário e cuja ideia leva à quebra de um vínculo, e com ele ao desapossamento de algo, fica parecendo que perder é algo negativo, que leva a uma subtração, a uma diminuição do que temos. Mas quem disse que ter é sempre positivo? Quem garante que uma diminuição, uma subtração, traz sempre prejuízo?

Pode ser que não. Muitas vezes, para caminhar, precisamos tirar os sapatos. Para subir precisamos estar leves, perder peso. Com o perdão dá-se o mesmo. Precisamos deixar pelo caminho, voluntariamente perder, algo que nos atrapalha. Precisamos muitas vezes ficar livres desse algo, para que possamos ficar leves, para que possamos seguir em frente, ver de outra forma. Precisamos com urgência perder um modo de ver e de entender o significado de perda, ampliando-lhe a ideia limitada que a própria comunicação, que a linguagem, que a cultura, nos impõe.

O que valeu a pena no seu dia?

A Gratidão é um caminho efetivo para ser alegre e motivado.